carregando...

Erro:

Erro:

NOTÍCIAS

  • 02/09/2013

    Polícia indicia 3 por fraude em provas do CFO

    Polícia indicia 3 por fraude em provas do CFO

    A Polícia Judiciária Civil indiciou três pessoas na conclusão das investigações que apuraram fraudes, cometidas nos vestibulares para ingresso no Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar de Mato Grosso. O inquérito policial conduzido pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) foi encaminhado a 6ª Vara do Fórum de Cuiabá, na última sexta-feira (30).

    As investigações concluíram que Déberson Ferreira de Jesus substituiu o irmão Roberson Ferreira de Jesus e, num segundo certame, o amigo Roberto Leite Dias, nas provas realizadas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), nos anos de 2010 e 2011. Os três foram indiciados nos crimes de falsidade ideológica e uso de documento falso.

    O inquérito policial conduzido pelo delegado Flávio Henrique Stringueta foi instaurado no dia 27 de abril de 2012, mediante documentação encaminhada pela Unemat, como cartões respostas e interpretação de texto das provas supostamente realizadas pelos candidatos Roberson e Roberto.

    Perícia de comparação datiloscópica das digitais dos três investigados comprovou que Déberson esteve nos dois certames( 2010 e 2011), fazendo as provas no lugar dos candidatos Roberson e Roberto. Outra prova inquestionável foi adquirida por meio de exame grafotécnico, que verificou a caligrafia das provas encaminhadas pela Unemat. “Esse foi um pouco mais complicado de ser feto, pois os três se recusaram a fornecer material gráfico”, explicou delegado Flávio Stringueta.

    De posse de documentos com a grafia original de Déberson, adquirido junto Universidade Federal de Mato Grosso, onde era funcionário, e provas originais dos dois alunos, que frequentavam regularmente o CFO, a perícia confirmou que as grafias existentes nas provas dos dois cadetes foram escritas por Deberson Ferreira de Jesus.

    O delegado Flávio Stringueta disse que mesmo a defesa dos dois alunos colocando em dúvida todo o processo seletivo, chegando a pedir a anulação das provas, a investigação concluiu que os dois cadetes entraram pela “janela” e que “não tinham competência para passar pelas provas e conseguiram alguém que as fizesse em seus lugares. Essas provas foram feitas em anos diferentes, em certames diferentes, e mediante a utilização de uma mesma forma de agir”, destaca.

    No curso da apuração criminal, a Polícia Militar de Mato Grosso abriu processo administrativo contra os alunos Roberson Ferreira de Jesus e Roberto Leite Dias. O cadete Roberson Ferreira ainda responde o procedimento na Academia da PM e Roberto pediu exoneração da corporação. Déberson Ferreira de Jesus, atualmente, residi em Florianópolis (SC). (Ascom Polícia Civil) 

    Fonte: gazetadigital.com.br

  • 24/07/2013

    Justiça manda INSS adotar identificação biométrica em todo o país

    Justiça manda INSS adotar identificação biométrica em todo o país

    A Justiça Federal em Uberlândia (a 556 km de Belo Horizonte) determinou nesta quarta-feira (24) que o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) adote, em todo o país, um sistema de identificação biométrica que permita identificar e individualizar, com precisão, os beneficiários da previdência social.

    O prazo concedido pelo juiz da 1ª Vara Federal de Uberlândia Flávio Marcondes Soares Rodrigues para implementação do sistema biométrico pelo INSS é de dois anos. Cabe recurso à decisão.
     
    O juiz também determinou que o INSS informe à Justiça, mensalmente, as medidas adotadas para dar cumprimento à sentença.
     
    A reportagem do UOL entrou em contato com a assessoria de imprensa do INSS em Brasília por telefone e e-mail, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.
     
    Para o juiz, "a existência de norma jurídica prevendo a apresentação de um simples documento de identificação não afasta a possibilidade de adoção de outra medida que se mostrar necessária ao interesse público".
     
    Segundo Rodrigues, a ação, proposta pelo MPF (Ministério Público Federal em Minas Gerais), não questiona a legalidade do procedimento estabelecido pelo decreto, "mas a sua insuficiência em coibir a prática de crimes contra o INSS e a consequente lesão ao erário".
     
    O magistrado registrou ainda que o assunto "não é novo para o INSS, pois desde o ano de 2007, já se tem notícia de um projeto-piloto para realização de identificação biométrica".
     
    O juiz afirmou que informações veiculadas no próprio site da Previdência Social revelam que a utilização de documentos falsos na obtenção de benefícios foi responsável por 90,48% das ações realizadas no ano passado para coibir as fraudes.
     
    Ministério Público considera sistema falho, instável e inseguro
    Na ação do MPF, afirma-se que o sistema utilizado pelo INSS é falho, instável e inseguro.
     
    "Basta a mera apresentação de fotocópias de documentos, como certidão de nascimento, para a concessão de benefícios de amparo assistencial. Essa situação facilita a prática do crime de estelionato, em que uma mesma pessoa obtém dois ou mais benefícios por meio da apresentação de documentos com informações falsas."
     
    De acordo com o MPF, a ocorrência de fraudes vem aumentando devido "às facilidades com que se obtém atualmente uma certidão de nascimento, sendo frequentes os casos de pessoas que requerem cinco ou mais certidões com nomes diferentes e, com base nelas, passam a receber a mesma quantidade de benefícios previdenciários".

    Fonte: UOL Belo Horizonte

  • 08/07/2013

    Após tentativa de fraude, vestibular de medicina terá segurança reforçada

    Após tentativa de fraude, vestibular de medicina terá segurança reforçada

    Mais de 1,6 mil pessoas farão vestibular para medicina, nesta segunda-feira (8), da Universidade de Rio Verde (UniRV), no sudoeste de Goiás. Este ano, a instituição reforçou as medidas de segurança, depois que uma quadrilha acabou presa ao tentar fraudar o processo seletivo em 2012. Mais de 150 fiscais e policiais civis e militares vão acompanhar a aplicação das provas.

    O vestibular será aplicado no campus de Rio Verde. Os portões serão abertos às 12h e fechados às 14h. Os estudantes terão quatro horas para fazer a prova. A saída dos candidatos só será permitida após 17h45, ou seja, 15 minutos antes do fim da prova.

    Entre as medidas de segurança adotadas está a proibição da entrada com materiais para a sala de provas, inclusive lápis e borracha. Apenas caneta com tubo transparente será permitida. Policiais estarão dentro e fora do prédio de provas, acompanhando o certame à paisana.

    Os vestibulandos passarão por revista com detectores eletrônicos, feito por seguranças especializados e acompanhados por policiais militares. "Detectores de metal estarão nos banheiros. A pessoas ao longo da prova que quiser se dirigir ao sanitário passará pelo detector de metal", explicou o reitor Sebastião Pereira.

    A universidade oferece 60 vagas para ingresso no curso de medicina no 2º semestre deste ano. A concorrência é de 27, 8 candidatos por vaga.

    Fraude
    Em fevereiro do ano passado duas pessoas foram presas durante a realização do vestibular. Segundo a polícia, um deles era um professor que passaria as respostas da prova para candidatos por celular. O outro era um estudante que foi flagrado com um celular dentro da sala onde a prova era aplicada.

    Segundo as investigações da Polícia Civil, o chefe da quadrilha pagava ao estudante de medicina e professor R$ 5 mil para fazer a prova, e o preço variava entre R$ 20 mil e R$ 25 mil. De acordo com a investigação, o grupo fraudou pelo menos 15 vestibulares de medicina em várias universidades do país.

    Fonte: Globo - G1 GO