carregando...

Erro:

Erro:

NOTÍCIAS

  • 06/07/2013

    Fiscal descobre fraude em vestibular em Araraquara, SP

    A desconfiança de um fiscal durante as provas levou à descoberta de um esquema para fraudar o vestibular de medicina, neste sábado (6), no Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Doze estudantes foram parar na delegacia e estão prestando depoimento. Um deles, que usava peruca, levantou suspeitas do fiscal que acabou puxando seu cabelo e descobrindo o ponto eletrônico no ouvido.

    Os estudantes detidos, sete homens e cinco mulheres, são dos estados de São Paulo, Bahia, Minas Gerais, Maranhão, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro e Tocantins. Eles responderão por fraude e deverão ser liberados após o pagamento de fiança no valor de R$ 1.500. Eles estariam recebendo as respostas de pessoas que estavam do lado de fora na faculdade e que conseguiram fugir.

    Fonte: Estadão.com.br

  • 18/06/2013

    Fraude em vestibular pode ter rendido R$ 600 mil a piauiense

    Fraude em vestibular pode ter rendido R$ 600 mil a piauiense

    As investigações sobre as supostas fraudes em vestibulares em Campina Grande-PB envolvendo piauienses continuam. De acordo com o delegado Francisco Iasley Almeida, da Delegacia Especializada de Defraudações e Falsificações de Campina Grande, o principal acusado das fraudes, Rogério Carlos do Nascimento Lima, 27 anos, pode ter lucrado aproximadamente R$ 600 mil em um único vestibular.

    Delegado Iasley Almeida que comandou a operação

    O delegado afirma que o cálculo foi estimado contabilizando que cada gabarito custou cerca de R$ 30 mil e há pelo menos 20 candidatos envolvidos na fraude na Faculdade Facisa. “As 20 pessoas são do Piauí e estamos investigando se houve fraudes em outros vestibulares aqui da Paraíba também”, destacou.

    A polícia tem até o dia 10 de julho para a conclusão do inquérito e pode solicitar novas prisões preventivas. “Se constatarmos que a quadrilha continua agindo em outros vestibulares, podemos representar pedindo a prisão”, afirmou.

    Rogério Lima foi solto ainda na semana passada, após pagar fiança de dez salários mínimos (R$ 6.780,00), ele foi preso após o esquema ser descoberto por um fiscal que percebeu que uma aluna, que fazia vestibular para Medicina, apresentou uma atitude estranha e foi flagrada com um celular, onde recebia as respostas da prova por mensagens.

    Pais dos vestibulandos

    O delegado Yasley Almeida não descarta a prisão de pais de alunos que estejam participando da fraude. “Os pais podem ser indiciados, porque como é que um adolescente de 17 ou 18 anos consegue levantar uma quantia de R$ 30 mil”, questiona o delegado.

     

    Fonte: Carolina Oliveira - cidadeverde.com

  • 10/06/2013

    MP investiga fraudes em concursos no interior de Minas

    MP investiga fraudes em concursos no interior de Minas

    MONTES CLAROS – O Ministério Público de Minas Gerais investiga fraudes em concursos públicos feitos por prefeituras do Norte de Minas. Há[/LEAD] indícios de irregularidades cometidas por empresas contratadas para elaborar as provas, em gestões passadas, nos municípios de São João da Ponte, Matias Cardoso e Augusto de Lima.

    Essas empresas favoreciam pessoas indicadas pelo Executivo com respostas corretas das provas aplicadas. Os atuais prefeitos destas cidades assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o MP, se comprometendo a investigar as denúncias de fraudes e, caso comprovadas, realizar novo concurso.

    Em São João da Ponte, o prefeito Sidnei Pereira da Silva assinou, em maio, o TAC cancelando o concurso feito em 2010 para preencher 357 cargos com salários de até R$ 1.500. O promotor Célio Dimas Rias informa que o prefeito se comprometeu a realizar novo concurso até dezembro deste ano.

    Segundo o MP, a Seletiva Concursos, Auditoria e Treinamentos, de Belo Horizonte, foi contratada sem licitação pelo ex-prefeito Fábio Luiz Fernandes Cordeiro (PTB) para realizar o concurso e supostamente favorecer pessoas ligadas ao seu grupo político. As provas foram aplicadas para 2.650 candidatos que disputavam 357 vagas com salários entre R$ 550 e R$ 1.500.

    De acordo com o promotor, no TAC é pedida a revisão, até 20 de julho, de todos os servidores contratados sem concurso, além da realização de novo processo seletivo até dezembro.

    Foi pedida a demissão imediata, por prática de nepotismo, de todos os ocupantes de cargos de comissão com parentesco até terceiro grau com o prefeito eleito Geraldo Paula da Costa (PPS). Conhecido como Gê Paula, ele faleceu nove dias após a posse no cargo.

    Multa

    O texto exige, ainda, a demissão imediata de servidores que tenham parentesco com o atual prefeito ou membros da Câmara. A multa por descumprimento é de R$ 5.000 por servidor não concursado que ainda continuar no cargo.

    Procurada, a diretoria da Seletiva Concursos não foi encontrada e nem respondeu aos e-mails enviados. O ex-prefeito Fábio Luiz Fernandes Cordeiro também não foi localizado para comentar as denúncias ocorridas em sua gestão.

    Fonte: R7.com